sábado, abril 24, 2010

FELIZES PARA SEMPRE



FELIZES PARA SEMPRE (Texto retirado do site YAHOO):


Quando falo em amor, posso deixar transparecer que também acredito naquele amor dos contos de fadas, aqueles do tipo FELIZES PARA SEMPRE… Não acredito. Entendo que esse é um sentimento complexo e exercê-lo demanda mais que desejo – demanda decisão.


Qualquer relação passa por altos e baixos e isso faz parte. Afinal todos somos humanos e, enquanto tal, erramos, acertamos, ganhamos e perdemos… Até aí tudo bem… A questão é que grande parte de nós – além de não entender o que é uma relação – não amadureceu para tal. Confunde o amor com posse, controle, sofrimento.


Problemas
Entende que viver um relacionamento depende do abrir mão de suas vidas, seus sonhos, seu ser. E essa é a parte que deveria ser melhor analisada… Quando o amor se torna um filme de terror e o sofrer impera sobre qualquer outro sentimento, problema à vista…


Fica óbvio para os outros quando estamos nessa enrascada e, para eles – de fora – é visível que seremos abandonados ou abandonaremos. A relação dá sinais… Você deve conhecer casais cuja tônica da relação é essa – brigas, dor, sofrimento, controle, posse… Não evolui – não sobra espaço ou tempo para um e outro…


Nesses casos nos abandonamos muito antes de deixar o outro ou a relação. Abandonamo-nos porque é o que podemos. Deixamos de lado tudo que somos para viver em função da relação doente, dos sentimentos confusos, dos pensamentos errados.


Tarde demais
Fica tudo mais complexo. Não conseguimos enxergar o quando ou quanto nos abandonamos… Não compreendemos que teremos de lidar com o nosso abandono antes mesmo de compreender o quanto a relação está comprometida. E talvez aí seja tarde demais para os investimos nosso tempo em autoconhecimento, alimentamos nosso físico, mental e emocional – talvez até o espiritual.


É incrível como tudo muda ao redor… Primeiro muda nossa motivação, depois nossa prioridade e, por fim, a relação.


Milagre? Não. O tempo que perdemos controlando o outro é enorme. O tempo que ficamos PARALIZADOS, imaginando porque ele não ligou, porque não veio, porque mentiu, porque não nos ama, por quê?!? É absurdo.


E até nos momentos que deveríamos aproveitar para rever a nós mesmos – aquele chá com as amigas, a terapia, a ginástica –, mesmo nesses momentos únicos, nossos, estamos lá, falando do outro qualificando e desqualificando a relação e isso não leva a nada…


Primeiro porque não vamos entrar na cabeça do outro e tirar de lá o que nem ele mesmo sabe. Segundo porque quando perdemos nosso tempo falando do outro – tiramos de nós a responsabilidade de fazer diferente.


Deixamos de lado nosso poder de fazer e acontecer – com ou sem esse outro… E isso é imperdoável! Cobramo-nos, não nos aceitamos, morremos…


Então? É desse amor distorcido que tenho falado. Um amor que não leva a nada à medida que não é de dois – é de um que cobra e traz para si o remar, a canoa, o rio, a vida e CARREGA LITERALMENTE O OUTRO…


E, dessa forma, não há relação, ou melhor, não há qualquer ser humano que possa deixar de lado o sofrer… A dor é real está lá e não há muito a fazer… Agora viver em sofrimento, bem, esse sim é opcional. Lembre-se: podemos abrir mão dele e de tudo o que nos faz tristes. Até mesmo de um amor do tipo ruim com ele pior sem ele…


Se estiver ruim não é bom – não faz bem… O convite aqui é para olhar mesmo o que se vive, o que se tem e abrir mão de tudo o que está demais.


Beijos gentemmm, desculpe o sumiço mas estou voltando com força total, rs.....

Amanhã posto o que aconteceu comigo........

Bom final de semana...




3 comentários:

Meu diário... disse...

Florzinha, q bom q voltou, estava com sds de vc...
Nossa, vc deve ter passado por algo q te machucou muito né.
Espero q vc esteja melhor e estamos aqui pra te ajudar.
Bjs e bom fds

Morenalove disse...

Estamos aqui para o que der e vier ...

Fabyflor disse...

Oi flor, que bom ter vc de volta e com força total!
Amei o novo visual do bloguinho!
bjs!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails